3 dicas para regularizar o motor da moto

Você já pensou em trocar o motor da moto? Muitas vezes, em decorrência de um acidente ou de mau uso do veículo, a motocicleta é prejudicada ao ponto de ter que passar por esse procedimento.

Em outros casos, a decisão não passa por problemas na moto, mas pela vontade de ter um veículo mais potente ou mais veloz. Então, a troca do componente atende a um desejo de obter mais resistência e agilidade.

Regularizar essa situação é possível, no entanto alguns passos devem ser seguidos para isso. Entre outros aspectos, você deve estar atento à legislação sobre o assunto, à procedência do motor e aos prazos legais.

Neste artigo, vamos mostrar as 3 dicas mais importantes para você trocar o motor da moto de forma adequada. Confira!

1. Verifique e comprove a origem da peça

Como em todas as vezes que você vai ao mecânico para fazer manutenção preventiva ou trocar alguma peça com defeito, é importante ficar atento à origem do componente que será instalado em sua moto. No caso do motor, isso é mais importante ainda! Isso porque, como sabemos, o comércio ilegal de peças é muito presente nesse mercado.

Tenha certeza de que o motor que você vai comprar não é proveniente de roubo ou de contrabando e também de que o produto não está danificado. Exija sempre a nota fiscal — até porque ela será requisitada pelo órgão de trânsito, conforme explicaremos mais adiante.

2. Autorize a troca do motor da moto

Antes de deixar que o mecânico faça a troca do motor da moto, você deve obter autorização do Detran para efetuar o procedimento. Para fazer o pedido, você precisa ir até a delegacia de trânsito do seu município, munido dos seguintes documentos:

  • identidade e CPF ou carteira de motorista;
  • CRV — Certificado de Registro do Veículo;
  • CRLV — Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo;
  • decalque do chassi;
  • vistoria da moto.

3. Registre o novo motor da moto

Com o documento de autorização do Detran em mãos, você pode ir ao mecânico e pedir a troca do motor da moto. Mas, depois que ele faz o trabalho, o processo burocrático ainda não acabou.

É preciso voltar à delegacia de trânsito do seu município para dar continuidade ao processo e registrar o novo motor como componente do seu veículo. Isso deve ser feito porque o número de série será diferente.

Saiba quais são os documentos necessários nesse passo

Mais uma vez, você terá que levar seus documentos, o CRV e o CRLV. O Detran vai exigir ainda a vistoria e o decalque do chassi, para que os dados sejam confirmados.

Nesse momento, você vai precisar apresentar também a nota fiscal do motor novo, a qual garante a procedência do componente. Se você tiver comprado o motor de pessoa física, não tem problema: pode levar uma declaração de compra com firma reconhecida, que comprove a origem da peça.

A nota fiscal do serviço feito pelo mecânico também deve ser levada, assim como a cópia da autorização prévia para alteração de características emitida pelo Detran. Outro documento exigido é o Certificado de Segurança Veicular, expedido após a vistoria ser feita em entidade credenciada pelo INMETRO.

Agora que você já sabe como regularizar o motor da moto, é importante que faça a si mesmo dois questionamentos: vale mesmo a pena fazer essa operação? Não seria melhor trocar a sua moto por uma nova ou seminova que já tenha as especificações que você deseja? Pense nisso!

Gostou deste conteúdo? Aproveite e curta nossa página no Facebook! Por lá, você vai ficar por dentro de tudo sobre o universo do motociclismo e ter acesso a informações relevantes que podem ajudá-lo a tomar as melhores decisões!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *